Quando tudo começou

Belo Horizonte, setembro ou outubro de 2007… Era uma tarde de domingo, no meu antigo apartamento da Rua Sergipe, onde da janela lateral, do quarto de dormir, eu via a Igreja da Boa Viagem (#saudade). Fernando, eu e Thiago conversávamos quando Thiago disse: Mari, vc já pensou em ir para a Europa? Claro que pensar eu até já tinha pensado, mas era algo só do plano imaginário mesmo. Eu achava que na ‘vida real’ era extremamente inviável. Até aquele momento, viajar, mesmo dentro do Brasil, era algo fora da minha realidade. Ou pelo menos eu achava que era (conhecia no máximo uma meia dúzia de cidades e tinha andado de avião só uma ou duas vezes).

Já acompanha o blog nas redes sociais?
 Curta a página no Facebook e siga no Instagram e no Twitter.

E foi isso o que respondi para ele, que foi logo dizendo que não, que era viável sim, e que nem era tão caro quanto eu imaginava. Me contou das vezes que já tinha ido e falou que estava programando uma viagem para julho do ano seguinte. Topa? fotovergonhaTopei! Ele disse que o ideal era planejar tudo com antecedência, reservar os albergues, comprar as passagens de uma cidade para outra. Cada coisa que ele falava eu me animava. Naquele momento fizemos um pacto, eu, ele e Fernando. Inclusive fotografamos o pacto! Em julho de 2008 iríamos para a Europa.

Desde então comecei a pesquisar, a tentar escolher as cidades que eu gostaria de visitar. Passei a juntar mais dinheiro do que eu já guardava habitualmente. Me matriculei num curso de francês, sonhava com isso dia e noite! Comentei com um outro amigo, Patrick, sobre a viagem e ele ficou superempolgado para ir também.

Só que nem sempre as coisas saem como planejamos. Fernando soube que seria chamado para um emprego novo e que não teria mais férias. Eu também acabei mudando de emprego (e de cidade/estado) e perdi minhas férias. E aí só o Thiago foi para a Europa. Mas eu não desisti. Prometi pra mim mesma que nas férias de julho de 2009 eu iria, mesmo que fosse sozinha. Thiago até cogitou a hipótese de ir novamente, mas acabou desistindo. Fernando, pra variar, não levou a sério e não se planejou pra isso. Eu e Patrick continuamos firmes e fortes, contando sempre com a presença do Thiago nos bastidores, dando todas as dicas de onde ficar, como ir, como comprar, etc. E assim fomos planejando a primeira viagem internacional: Paris – Londres – Amsterdã – Berlim – Veneza – Roma – Barcelona – Madri. Em breve conto mais sobre isso!

PS: Texto escrito em 2009 e já constava a observação de que “Fernando não levou a sério e não se planejou”. ¯_(ツ)_/¯

Para ler ouvindo:

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Email this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *