Passar um ano no exterior: história da Isabele

“Meu interesse por intercâmbio vem de longa data, desde que terminei a faculdade, em 2005. Na época, fui em algumas feiras de intercâmbio no Rio junto com um amigo e peguei bastante informação a respeito. Infelizmente, nessa mesma época minha mãe adoeceu, e resolvi adiar um pouco esse sonho.

A princípio, minha intenção era de estudar francês ou italiano, que são línguas que sempre quis aprender. Mas, ouvindo a dica de alguns amigos, me aconselharam a começar pelo inglês, pois, mesmo estando em outros países, o inglês é primordial. Após algumas pesquisas, resolvi ir para Irlanda, pois é um dos países que dão permissão de trabalho, e como um programa desses é meio caro, é uma boa opção.

O meu nível de inglês pode ser considerado nulo. Não sei pronunciar, apesar de entender um pouco melhor. Na semana que vem vou aos Estados Unidos com meu irmão, que me convidou para acompanhá-lo para ver se o meu perrengue no idioma será grande ou enorme. A passeio já estive também em Portugal e na Espanha, com minha mãe, de quem herdei a fissura por viajar rs.

Já acompanha o blog nas redes sociais? 
Curta a página no Facebook e siga no Twitter e Instagram.

Para a Irlanda vou sozinha, em janeiro de 2016, para dar tempo de me programar e também juntar o dinheiro que o governo irlandês exige, de três mil euros. Devido a um  período difícil que passei, meus amigos e familiares estão me apoiando a vivenciar isso. É também uma forma de tomar novos rumos, mesmo que a ideia inicial seja a de ficar por lá cerca de um ano.

Estou com medinho, mas só mesmo a preocupação de não conseguir me comunicar. Tenho entrado em contato com algumas pessoas que já estão no país, para tentar dar uma acalmada, e há pouco tempo descobri que uma amiga, a Patricia Tolentino, estará lá quando eu for. Isso me deu um alívio por saber que terei a quem recorrer por lá.

No mais, espero muito dessa experiência, primeiramente por aprender o idioma, e segundo pelo convívio com tantas culturas, que é o que mais me fascina, essa troca de vivências, de ideologias com tantas etnias diferentes.”

Por Isabelle Fernandes, jornalista, carioca
Foto: Arquivo Pessoal

Gostou? Compartilhe!Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Email this to someone