O mundo em colapso e a gente aqui falando de viagem

mundo-em-colapso-viagens

Enquanto me esforço para tentar digitar alguma coisa, quase que sem perceber levo a mão à boca – hábito péssimo de morder os cantinhos, faço isso desde criança e mesmo depois de adulta não parei. É ridículo, eu sei. Olhando para a tela do computador, que continua em branco, me lembro imediatamente do corona vírus, assunto falado por 11 em cada 10 pessoas, e recolho a mão. Pelo menos estão limpas, penso. Ainda assim, levar à boca é feio. Muito. E, independente de epidemia, não é exatamente uma coisa saudável. Tenho de parar. Deve fazer pra mais de 20 anos que me prometo isso. Mas agora tem, de novo!, um vírus à solta por aí e talvez seja um bom momento. Ou talvez seja melhor não pensar nisso pra não pirar. Até porque eu preciso escrever um texto. Mas aí me pego lembrando de outras situações recentes que me deixaram (me deixam!) pirada ou, pelo menos, preocupada. Respiro fundo.

É pau, é pedra, é o fim do caminho. É barragem que rompe, é helicóptero que cai, é fogo que se alastra, é chuva que destrói, é gente conhecida que morre de forma trágica, é gente desconhecida que morre por incompetência do poder público, é governo desgovernando, é dólar que sobe, é poder de consumo que cai, é desemprego em alta, é cultura sendo atacada, é arte sendo desvalorizada, é comida mais cara, é mais gente morando na rua, é pandemia. Isso sem falar nas questões pessoais… É aqui, é aí, é no Brasil, é no mundo, é tudo junto e é a gente no meio disso tudo.

Mas por que eu estou escrevendo isso? Porque eu não consigo escrever sobre outras coisa. Dicas de viagem. Lugares para conhecer. Estímulos para viajar sozinha. Destinos preferidos.

De onde tirar inspiração para publicar alguma coisa quando o mundo está desmoronando? Qual o sentido de ficar falando de viagem quando há tanto mais acontecendo? Como divulgar links no Facebook, como seguir com lindas fotos e stories no Instagram, se do outro lado da tela é tristeza ou medo ou algo do tipo? No rosto um desgosto, um pouco sozinho.

Por outro lado, o blog é um trabalho e ele precisa seguir, independente do que esteja rolando em outras áreas. Penso até como consumidora de conteúdo também, é legal ler coisas diversas e não ficar só nos noticiários – consumir assuntos leves faz bem! Não é futilidade nem alienação, é que há vários assuntos e aspectos. A questão é como se faz. Responsabilidade, bom senso.

Porque, mesmo sendo parte do trabalho, é constrangedor às vezes – eu vejo uns conteúdos que me matam de vergonha alheia. Gente fingindo que nada acontece já que, afinal, só fala de viagem (como se viagem não abrangesse tanto mais ou como se outros fatos não tivessem a ver com isso). Ou até mostrando as belezas das cidades da Itália, por exemplo, sendo que o país está em quarentena. É o cúmulo da falta de noção ou está tentando pegar carona no bonde do engajamento, já que falar desses lugares, ainda que por outros motivos, está em alta?

Venho pensando em tudo isso há um tempão. Esse texto mesmo eu comecei a rascunhar faz mais de um ano, a partir de um textinho que havia postado nos stories na ocasião do falecimento do Boechat em fevereiro/2019. Abalada, eu não conseguia pensar em nenhum conteúdo. E, mesmo que tivesse pensado, não era o momento. Não fazia sentido para mim. Depois teve a Fernanda Young. Teve o Gugu. Teve tanto! O show tem que continuar, mas às vezes não tem. É o mistério profundo, é o queira ou não queira. Respeitar os fatos, se respeitar.

Agora então, nem é só pelo que eu sinto, mas porque realmente não faz sentido incentivar as pessoas a viajarem. Isso é contrário a todas as orientações. Mesmo dentro do Brasil, onde aparentemente tudo ainda está sob controle (foco no “aparentemente”, pq né?, tudo muda muito rápido!), o ideal é evitar viagens, aeroportos, até mesmo rodoviárias, ônibus. Ainda que seja de carro, melhor não ir. O momento é de se precaver, não só para não adoecer, mas porque somos, todos, também, vetores de transmissão. Para algumas pessoas pode ser extremamente perigoso. É hora de pensar e, principalmente, agir coletivamente! Qualquer coisa diferente disso chega a ser irresponsável. E eu fico aqui, como muitos, nesse misto entre minhas angústias que fazem com que eu não consiga escrever e a sensação estranha de eventualmente conseguir e não ser o timing.

Não há respostas! Não há uma fórmula, um jeito certo ou errado. O que há é álcool gel, ansiolítico, áudio de meditação guiada, terapia, consciência. E a eterna promessa de vida no meu coração.

Para ler ouvindo:

Foto principal: criado por freepik – br.freepik.com

Não se esqueça dos parceiros do "Mariana Viaja" ao organizar sua viagem!
- Encontre e reserve sua hospedagem em qualquer lugar do mundo pelo Booking sem pagar nada a mais por isso! - Em destinos internacionais o seguro é obrigatório, compare preços pela Real Seguros e escolha o que melhor te atende. - Para estar com internet no celular durante toda a viagem, mesmo fora do Brasil, adquira um chip da EasySim4u. - Vai viajar sozinha? Baixe o ebook com dicas que vão te ajudar no planejamento!
Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email