O que conhecer na Prainha, região histórica de Vila Velha

o-que-fazer-na-prainha-vila-velha

O Sítio Histórico da Prainha, em Vila Velha, ou simplesmente Prainha, é o local onde foi iniciada a colonização do solo espiritossantense – ou seja, onde a cidade foi oficialmente fundada. Além de pontos históricos, a região conta com diversas opções de lazer e cultura, construções preservadas, restaurantes, bares, espaços abertos e muitos lugares bonitos. E é super tranquilo para quem está sozinha.

Logo que a situação da pandemia ficou mais controlada, foi um dos primeiros passeios que fiz por aqui. Por ser praticamente tudo ao ar livre, achei uma opção excelente. E, independentemente disso, é um local que vale ser visitado! Eu fui no sábado e no domingo, circulei bastante, mas, dependendo do pique e da forma como você organizar seu dia, dá para fazer esse roteirinho e conhecer tudo em um dia só.

Leia também:
Visita à Garoto em Vila Velha
Como subir o Morro do Moreno

O que fazer na Prainha

Parque da Prainha

É um local de lazer super bonito e bem cuidado, com uma vista linda para o mar de um lado e o Convento da Penha do outro. No extenso gramado verde tem brinquedos para crianças (incluindo opções acessíveis e adaptadas para crianças com alguma limitação física), espaços para jogar bola, soltar pipa/papagaio, fazer um piquenique, passear com os cachorros, ficar sentado nos bancos ou na grama observando o movimento…

Tem também alguns trailers de comidas e a praia, que não é para banho, mas tem uma faixa de areia, alguns barcos e uma vista linda, como na foto que abre este texto.

Casa da Memória

casa-da-memoria-prainha-vila-velha

Adoro conhecer a história das cidades! E em Vila Velha o melhor lugar para isso é a Casa da Memória. O museu reúne um acervo com peças históricas diversas, painéis ilustrativos, livros, fotos antigas, um canhão do século XVIII, entre outros. Também realiza eventos culturais e exposições temporárias.

E tem, ainda, uma réplica da caravela Glória, na qual chegou o português Vasco Fernandes Coutinho, primeiro donatário da Capitania do ES. Na parte externa tem uma estátua dele e uma de Luiza Grimaldi, primeira mulher a governar uma Capitania, além do último exemplar do bonde que circulou na cidade. Tudo para manter a memória das origens capixabas.

Convento da Penha

Símbolo do Espírito Santo e ponto turístico mais visitado do estado, foi construído no século XVI no alto de um penhasco de 154 metros e é tombado como patrimônio histórico cultural. Está sempre presente nos roteiros de quem passa por Vila Velha, mas muitos acabam não explorando o entorno e perdem a oportunidade de conhecer mais a Prainha.

A subida do Convento pode ser feita de carro, táxi/Uber; na van do próprio Convento (R$ 6,00 subida e descida); ou a pé (pouco mais de 1km). Lá do alto, o mirante tem um espaço amplo com um visual maravilhoso de um lado e o próprio Convento do outro (ainda é preciso subir mais algumas escadas). Na entrada/saída há muitas lojas para comprar lembrancinhas temáticas.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Muita gente não sabe, mas essa é a igreja mais antiga do Brasil em funcionamento. Os dados são divergentes, mas consta que há apenas três mais antigas que ela: em Porto Seguro, Salvador e Igarassu (PE). E nenhuma funciona mais, são apenas pontos de visitação turística, o que faz com que a de Vila Velha seja um marco!

A capela foi construída em 1535, sendo a primeira igreja do Espírito Santo. Em 1551 foi ampliada pelos jesuítas e vem sempre passando por reformas e restaurações ao longo do tempo. Um lugar repleto de história. Fica na praça da Prainha, a poucas quadras da entrada do Convento.

Gruta Frei Pedro Palácios

gruta-frei-pedro-palacios-vila-velha

Nos arredores do Parque da Prainha fica a gruta, no pé do morro onde fica o Convento da Penha. Era a residência do Frei Pedro Palácios, espanhol que chegou a Vila Velha em 1558 e se tornou um personagem histórico do estado, por ser o fundador do Convento. Próximo à gruta fica também uma estátua em homenagem a ele.

EAMES – Escola da Marinha

As visitas estão temporariamente suspensas desde o início da pandemia. Mas quem já foi garante que é um dos lugares com a vista mais bonita na Prainha. Eu passei por lá e conversei com os funcionários da portaria, que disseram que para visitar (quando for liberado) é preciso agendar antes por email ou telefone: eames.ouvidoria@marinha.mil.br / (27) 3041-5403. Quero fazer isso assim que possível!

Leia também:
Pontos turísticos de Vila Velha
Onde comer na Praia da Costa e Itapuã

Onde comer na Prainha

onde-comer-prainha-vila-velha

Se a ideia é passar o dia e conhecer todos os atrativos da Prainha, é bom saber que por lá há diversos lugares para comer, seja almoço ou lanche. Nesta minha ida mais recente almocei no Stragalar, que fica na praça e costuma colocar suas mesas espalhadas sob as árvores, bem agradável. Como funciona como restaurante e bar, fica cheio a tarde toda.

Outras opções: Mandacaru Gastrobar, Meramar Restaurante, Claudinei Lanches, Brunos’s Burguer, Pizzaria Bontà Forno e Cucina.

Programação cultural

congo-vila-velha-prainha

Recentemente a Prainha passou a ter uma programação cultural fixa aos domingos, realizada pela Prefeitura de Vila Velha, no Parque da Prainha, o que valoriza ainda mais o local e atrai cada vez mais gente. Música, teatro, atrações infantis, Congo, tudo gratuito.

Além disso, a Prainha conta com um Coletivo Criativo que tem buscado realizar ações diversas. No instagram @coletivocriativoprainha é possível saber mais e acompanhar também todas as dicas de eventos que acontecem na região. A Guyrá Aldeia Criativa, que fica bem na esquina da Igreja do Rosário, é outro local que, além da venda de artesanato e produtos incríveis, tem programação com eventos variados – o instagram é @guyra_criativa

guyra-prainha

Onde ficar na Prainha

Outra vantagem da Prainha é a localização, próxima de vários lugares turísticos da cidade e com acesso muito fácil. Por isso, para quem vem de outra cidade pode ser uma boa escolha de hospedagem em Vila Velha. Algumas sugestões: Hotel Prainha | Hostel da Penha | Hostel Canela Verde

Conheça meu livro de crônicas "Eu não quero chegar a lugar algum" e entre em contato para adquirir o seu no formato digital ou físico.
Gostou? Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
0Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin
Email this to someone
email